últimas

SEGUNDO DIA DO JÚRI DE DELEGADO ACUSADO DE MATAR ADVOGADO EM CASA NOTURNA EM 2017 TEM INÍCIO


Julgamento de delegado acusado de matar advogado em casa noturna em 2017 tem início em Manaus — Foto: Daniela Branches/Rede Amazônica

Teve início na manhã desta quinta-feira (28) o segundo dia do julgamento do delegado Gustavo de Castro Sotero, acusado de cometer homicídio triplamente qualificado do advogado Wilson Justo Filho, em 25 de novembro de 2017, nas dependências de uma casa noturna na Zona Oeste de Manaus.
O júri estava marcado inicialmente para o mês de outubro, mas foi adiado após a Justiça identificar um equívoco em relação à seleção dos jurados.
A expectativa do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM) é que o julgamento seja concluído em três dias.
Sotero também responde pela tentativa de homicídio contra Fabíola Rodrigues Pinto de Oliveira (esposa de Wilson), Maurício Carvalho Rocha e Yuri José Paiva Dácio de Souza, que foram atingidos por disparos durante a confusão no estabelecimento.
Além do réu e seus advogados, 14 testemunhas (entre defesa e acusação) três vítimas; promotoria e os advogados que atuarão como assistentes de acusação; jurados e servidores do Judiciário participarão diretamente da sessão de julgamento.
Gustavo Sotero, Porão do Alemão, crime, homicídio, delegado, manaus, amazonas,  — Foto: Reprodução/Rede Amazônica
Gustavo Sotero, Porão do Alemão, crime, homicídio, delegado, manaus, amazonas, — Foto: Reprodução/Rede Amazônica
Diante da grande repercussão do caso, a sessão deve atrair um público expressivo, formado por familiares das partes, acadêmicos de Direito e população em geral. Para assegurar a participação de todos esses segmentos, os 150 lugares disponíveis no Plenário serão reservados da seguinte forma:

  • 25 jurados convocados (que participarão do sorteio para a escolha daqueles que comporão o júri);
  • 50 familiares (10 lugares para os familiares do réu e 10 para os familiares de cada uma das vítimas);
  • 20 advogados (OAB/Prerrogativas);
  • 20 para representantes da Polícia Civil;
  • 10 para representantes do Ministério Público; e
  • 25 para o público em geral, incluindo acadêmicos de Direito.
A sessão de julgamento será realizada no plenário principal do Fórum Ministro Henoch Reis e será presidida pelo titular da 1ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Manaus, juiz de Direito Celso Souza de Paula. O júri contará com a participação do promotor de Justiça George Pestana, representando o Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE).

Roteiro

No júri, durante o período destinado ao debate, será disponibilizado o tempo de 1 hora e 30 minutos para a acusação e o mesmo tempo para a defesa. Em caso de réplica e de tréplica, o magistrado presidente da sessão concederá mais 1 hora para acusação e defesa.
 Delegado Gustavo Sotero — Foto: Arquivo PessoalDelegado Gustavo Sotero — Foto: Arquivo Pessoal

Para evitar o cansaço dos jurados, o juiz Celso Souza de Paula antecipou que, no caso de se estender por mais de um dia, a sessão de julgamento será interrompida sempre às 20h30, recomeçando no dia seguinte às 9h. A perspectiva é que o júri seja concluído em três dias.
No dia 27 de novembro, às 9h, será realizada a abertura da sessão com o sorteio dos jurados e na sequência: oitiva das vítimas, das testemunhas de acusação e das que forem em comum com as de defesa.
No dia 28, a partir das 9h, serão realizadas as oitivas das testemunhas de defesa, dos assistentes técnicos da acusação e da defesa.
No dia 29, às 9h, serão realizados o interrogatório do acusado, os debates, a quesitação e prolatação da sentença.

Fonte: G1

Nenhum comentário