últimas

JOVEM QUE TEVE PULMÕES 'DESTRUÍDOS' POR COVID-19 RECEBE TRANSPLANTE DUPLO NOS EUA


Paciente passou seis semanas na UTI especializada em covid-19 no hospital, ligada a um respirador e a uma máquina de oxigenação por membrana extracorpórea, chamada de ECMO - Northwestern Medicine
Paciente passou seis semanas na UTI especializada em covid-19 no hospital, ligada a um respirador e a uma máquina de oxigenação por membrana extracorpórea, chamada de ECMO



Uma jovem que estava em estado grave e corria risco de morte por covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, recebeu um transplante duplo de pulmões, no que é considerado o primeiro caso do tipo nos Estados Unidos durante a pandemia.

O transplante foi realizado na semana passada e anunciado nesta quinta-feira (11/6) pelo hospital Northwestern Memorial, parte da rede Northwestern Medicine, em Chicago.

O hospital não divulgou a identidade da paciente, descrita como "uma mulher de origem hispânica na casa dos 20 anos de idade" que teve os pulmões destruídos pela covid-19.

"Um transplante de pulmões era sua única chance de sobrevivência", disse em entrevista coletiva o médico Ankit Bharat, chefe de cirurgia torácica e diretor cirúrgico do programa de transplantes de pulmões da Northwestern Medicine.


Segundo Bharat, apesar das dificuldades técnicas do procedimento nesses pacientes, a cirurgia pode representar uma chance de sobrevivência para outros doentes com covid-19 em estado grave, que tenham danos pulmonares severos. 


Jovem saudável

Os médicos dizem que a paciente era uma jovem saudável quanto contraiu a covid-19. Mas, cerca de duas semanas após os sintomas iniciais, sua situação se deteriorou e ela teve de ser internada.

A jovem passou seis semanas na UTI especializada em covid-19 no hospital, ligada a um respirador e a uma máquina de oxigenação por membrana extracorpórea, chamada de ECMO, que atua como coração e pulmões artificiais, oxigenando e circulando o sangue, em casos em que os órgãos do paciente não são capazes de desempenhar essas funções.

"Durante muitos dias, ela era a pessoa mais doente na UTI e, possivelmente, no hospital inteiro", ressalta a médica Beth Malsin, que integrou a equipe.

"Como uma mulher saudável na casa dos 20 anos chega a esse ponto? Ainda há tanto a aprender sobre a covid-19. Por que alguns casos são piores do que outros?", questiona o diretor médico do programa, Rade Tomic, ao ressaltar que é o que os pesquisadores do hospital estão tentando descobrir.

Quando os testes comprovaram que seu organismo finalmente estava livre de coronavírus, os pulmões já apresentavam danos irreversíveis, e os médicos decidiram pelo transplante. Seu quadro era tão grave que já havia sinais iniciais de comprometimento de outros órgãos, como coração e fígado.

A cirurgia foi realizada na última sexta-feira (5), dois dias depois de seu nome ter sido incluído na lista para transplantes.

Bharat afirma que, apesar de transplantes do tipo geralmente levarem cerca de sete horas, essa cirurgia teve duração de dez horas, devido à complexidade e ao estado dos pulmões da paciente, que apresentavam buracos "como um queijo suíço" e estavam colados aos tecidos e órgãos próximos.


Recuperação


Os médicos ressaltam que a paciente ainda tem um longo e difícil caminho pela frente, mas acreditam que ela vai se recuperar completamente. "Sua condição agora é estável e ela está melhorando a cada dia", afirma Bharat.

O médico disse que ela está "muito feliz", já se comunicou com sua família por chamada de vídeo e agradeceu à equipe por não terem desistido de seu caso.

Devido às restrições impostas por conta da pandemia, seus familiares não puderam acompanhá-la durante a internação e cirurgia.

Os Estados Unidos são o principal epicentro da pandemia, com mais de 2 milhões de casos confirmados e mais de 115 mil mortes.

Segundo Bharat, apesar de oferecer esperança para outros pacientes que se recuperaram da infecção mas sofreram danos irreversíveis nos pulmões, o transplante duplo não é para todos. A paciente era uma boa candidata por ser jovem e não apresentar comorbidades.

Como os músculos do peito ainda estão muito fracos devido à doença, a paciente continuará inicialmente ligada a um respirador, até que seu organismo se recupere. Ela também precisará tomar medicamentos para evitar que seu organismo rejeite os pulmões transplantados.

Os médicos afirmam que estão monitorando outros sobreviventes de covid-19 que tiveram danos graves nos pulmões para ver se, no futuro, necessitarão de transplante.








Portal Uol Notícias 

Nenhum comentário