Aconteceu!

COMERCIANTES PEDEM PROVIDÊNCIAS SOBRE ALAGAÇÕES NO CENTRO DE MANAUS


Estacionamento no Centro alagado com a chuva desta segunda-feira, 7 (Foto: ACA/Divulgação)


Comerciantes do Centro de Manaus cobram a manutenção de ruas e galerias para evitar alagações de ruas e lojas. Segundo a ACA (Associação Comercial do Amazonas), a falta de reparos e as chuvas têm provocado alagamentos em estacionamentos e lojas com frequência. Na manhã desta segunda-feira, os empresários pretendem fazer uma manifestação para cobrar providências.

De acordo com Jorge Lima, presidente da ACA, os locais ficam próximos do trecho da rua Henrique Martins que desde maio deste ano está interditado para obras da Prefeitura de Manaus após o surgimento de uma cratera.

Erosão abriu buraco em trecho da rua Henrique Martins, no Centro de Manaus (Foto: Altemar Alcântara/Semcom)

A situação prejudica as vendas de fim de ano, afirma o comerciante. “São muitos os transtornos e prejuízos por conta de crateras que se abrem, afastando clientes e tornando caótico o acesso à região central”, diz Lima em nota.

De acordo com o presidente da ACA, a demora na resolução do problema e o avanço do período de chuvas fez o terreno ceder ainda mais. “Areia teria sido colocada no local para contar a erosão e isso trouxe sérias consequências, no começo desta semana, quando após uma forte chuva, um estacionamento próximo inundou deixando pelo menos 12 carros submersos”, diz.

Com a chuva desta segunda-feira, 7, o estacionamento foi alagado novamente, como mostra registro dos comerciantes.

Jorge Lima afirma que não é possível aguardar o período de transição da Prefeitura para que o problema seja resolvido. “Sabemos que o período é de transição na Prefeitura, mas isso não pode ficar assim, é preciso fazer algo urgente”, diz.

“Num ano de pandemia, onde já está difícil manter empregos, ainda vem prejuízos assim, é muito difícil para os comerciantes que geram emprego e renda para muita gente”, afirma.

Falta de manutenção da Prefeitura provoca alagamentos, diz ACA (Foto: ACA/Divulgação)

Em tempo*

Nenhum comentário