Aconteceu!

BACTÉRIAS 'INVISÍVEIS' PARA SISTEMA IMUNOLÓGICO HUMANO SÃO DESCOBERTAS NAS PROFUNDEZAS OCEÂNICAS

 

© AP Photo / Kike Calvo

Em um recente estudo, uma equipe internacional de cientistas descobriu nas profundezas do oceano Pacífico bactérias que são "indetectáveis" para o sistema imunológico humano.

Esta nova descoberta poderia lançar luz sobre a resposta imunológica de nossos organismos ante a presença de agentes patogénicos desconhecidos, escreve portal Science Alert.

A fim de verificar a hipótese de que as células imunológicas são capazes de detectar qualquer agente estranho que entra no corpo humano, os pesquisadores coletaram bactérias perto da costa das ilhas Phoenix – uma área protegida do Kiribati, país insular localizado no Pacífico Sul.

Com a ajuda de um submersível operado remotamente a 4.000 metros de profundidade, os pesquisadores coletaram amostras de água, esponjas e estrelas marinhas, bem como de sedimento, das quais conseguiram extrair e cultivar em laboratório um total de 117 espécies diferentes de bactérias.

Quando as características dos micróbios foram identificadas, os cientistas selecionaram 50 tipos diferentes para medir a resposta imunológica de ratos e humanos.

© SPUTNIK / ROMAN DENISOV

Os resultados dos testes publicados na revista Science Immunology mostraram que 80% desses microrganismos, a maioria dos quais pertence ao gênero Moritella, são "invisíveis" e "indetectáveis" para as células especializadas do sistema imunológico.

De acordo com Jonathan Kagan, coautor da publicação, esta invisibilidade ocorre porque as cadeias lipídicas das moléculas de lipopolissacarídeos – pequenos pedaços de parede celular destas bactérias que são utilizadas pelas células imunitárias dos mamíferos para identificar os agentes patogénicos – são consideravelmente mais longas do que as encontradas em bactérias terrestres. 

Agora que os pesquisadores estabeleceram as bases sobre como essas bactérias "alienígenas" interagem com nosso sistema imunológico, eles planejam aplicar esse conhecimento para ajudar a desenvolver imunoterapias mais eficazes.


Sputnik*



Nenhum comentário