TCE

TCE

Aconteceu!

NO MARÇO LILÁS, RICARDO NICOLAU DESTACA QUASE R$ 8 MILHÕES PARA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

 


Na abertura do Março Lilás, mês de conscientização para o combate ao câncer do colo do útero, o deputado estadual Ricardo Nicolau (PSD) destaca suas emendas parlamentares que somam R$ 7,8 milhões para ações de enfrentamento da doença. De acordo com parlamentar, que é vice-presidente da Comissão de Saúde e Previdência da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), o Amazonas lidera o número de mulheres diagnosticadas com este tipo de câncer em todo o país. 

No ano passado, Ricardo Nicolau destinou R$ 3,2 milhões para a construção e equipagem do Centro Avançado de Prevenção do Câncer do Colo do Útero do Amazonas (Cepcolu). A unidade será um anexo da Fundação Centro de Controle de Oncologia (FCecon). 

Idealizado pela ginecologista Mônica Bandeira de Mello, o espaço foi projetado para fazer o tratamento ambulatorial de lesões pré-cancerosas. Ricardo Nicolau defende que as amazonenses tenham mais acesso a exames que possam fazer o diagnóstico precoce e, assim, evitar mortes por um câncer considerado pela medicina 100% evitável.

“A maior incidência do câncer do colo de útero em todo o Brasil é aqui no Amazonas. Nós fizemos uma emenda, em conjunto com os profissionais da Fundação Cecon - através da doutora Mônica Bandeira de Mello - que possibilitou a construção do centro avançado de prevenção e pesquisa. Esse centro vai ser um anexo da Fundação Cecon, exclusivo para atender casos de câncer do colo do útero e vai contar com quatro salas cirúrgicas, ambulatórios e áreas de pesquisa para fazer esse atendimento. É um sonho acalentado pelos profissionais da saúde que vai se tornar realidade”, afirma.


Força-tarefa


Outro foco da ação de Ricardo Nicolau é a prevenção. Só para exames preventivos do câncer do colo do útero, o parlamentar destinou, neste ano, R$ 4,6 milhões para todos os 62 municípios do interior do estado. "Nós fizemos emendas este ano para que as prefeituras façam os exames preventivos e assim identificar as lesões pré-cancerígenas. Já destinei mais da metade de minhas emendas da saúde para o enfrentamento do câncer do colo do útero, que apesar de ser 100% evitável, é o que mais mata mulheres no Amazonas”, aponta Ricardo Nicolau.

Dados nacionais do Instituto Nacional de Câncer (Inca) revelam que, em 2021, 270 mulheres amazonenses morreram devido ao câncer de colo de útero, uma média de 23 mulheres por mês. A doença é causada por uma infecção por tipos oncogênicos do Papiloma Vírus Humano (HPV).

A prevenção primária está relacionada à diminuição do risco de contágio. A transmissão ocorre por via sexual e o uso de preservativos (camisinha masculina ou feminina) durante a relação sexual com penetração protege parcialmente do contágio pelo HPV, que também pode ocorrer pelo contato com a pele da vulva, região perineal, perianal e bolsa escrotal.

O Ministério da Saúde implementou no calendário vacinal, em 2014, a vacina tetravalente contra o HPV para meninas de 9 a 13 anos. A partir de 2017, o Ministério estendeu a vacina para meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos. Essa vacina protege contra os tipos 6 de HPV.

A vacinação e a realização do exame preventivo (Papanicolau) se complementam como ações de prevenção desse tipo de câncer.


Ações que salvam vidas


Tramitando nas comissões técnicas do parlamento, outros três projetos de Ricardo Nicolau pretendem criar na rede estadual de saúde o Programa de Prevenção e Tratamento do Câncer de Pênis e do HPV (PL nº 649/2021); a Campanha Permanente de Prevenção ao Câncer Ginecológico e Mamário (PL nº 640/2021); e o “Maio Cinza”, uma campanha para conscientizar a população sobre o câncer de cérebro.


Para este ano, o deputado destinou outra emenda de R$ 100 mil para ajudar a FCecon na implantação do projeto de endoscopia terapêutica com inteligência artificial. Segundo informações do governo, essa tecnologia permitirá a retirada de lesões suspeitas de tumores intestinais com melhor visualização de imagens, emitindo avisos sonoros durante a detecção.



Nenhum comentário