TCE

TCE

Aconteceu!

PUTIN SINALIZA REPRESSÃO: 'RÚSSIA CUSPIRÁ TRAIDORES COMO MOSCAS’

 

Reprodução: commons

Com a guerra na Ucrânia entrando na sua quarta semana, o presidente russo Vladimir Putin elevou drasticamente o tom de seu discurso, e além de direcionar seus ataques às lideranças de Kiev, também atacou setores da população russa que ele considera como "falsos patriotas", os chamando de "escória". A fala ocorre em meio ao  aumento da repressão interna àqueles que discordam da guerra iniciada no final de fevereiro contra a Ucrânia — por sinal, quem mencionar a palavra "guerra", ao invés de "operação militar especial", nome oficial da ofensiva, está sujeito a multa e prisão.

"Mas qualquer povo, e ainda mais o povo russo, sempre será capaz de distinguir verdadeiros patriotas da escória e dos traidores, e simplesmente cuspi-los como uma mosca que acidentalmente entrou em suas bocas", disse Putin, durante uma reunião, na quarta-feira, para discutir medidas de apoio econômico às regiões. "Estou convencido de que uma autopurificação tão natural e necessária da sociedade só fortalecerá nosso país, nossa solidariedade, coesão e prontidão para responder aos desafios."

Desde o início da guerra, cerca de 15 mil pessoas foram presas em protestos contra o governo, e um número ainda desconhecido de russos deixou o país rumo à Europa, EUA e outras nações da ex-URSS, como o Quirguistão e o Cazaquistão. Além do medo da repressão, muitos tentam escapar dos impactos das sanções impostas pelo Ocidente , que já começam a ter efeitos sensíveis na economia russa, em especial na inflação.

No discurso, Putin atacou os países do Ocidente, dizendo que eles "simplesmente não precisam de uma Rússia forte e soberana" e que não perdoarão o país por "defender seus interesses nacionais".

"Lembramos como eles apoiaram o separatismo, o terrorismo, encorajando terroristas e bandidos no norte do Cáucaso. Como nos anos 1990, início dos anos 2000, eles agora novamente, mais uma vez, querem repetir sua tentativa de nos pressionar, nos transformar em algo fraco, dependente, violar a nossa integridade territorial, desmembrar a Rússia da melhor maneira possível para eles. Não deu certo naquela época, e não vai dar certo agora", disse Putin.

O presidente destinou ataques aos milionários russos que, hoje, vivem no exterior — alguns deles vêm se afastando o Kremlin e até destinando críticas à forma como Putin vem conduzindo a invasão da Ucrânia. Para ele, eles são uma espécie de "quinta coluna", ou "traidores nacionais", que ganham dinheiro na Rússia e hoje gastam suas fortunas em outros países.

"Não estou julgando de forma alguma aqueles que têm uma casa em Miami ou na Riviera Francesa, que não podem deixar de comer foie gras, ostras ou usufruir das chamadas liberdades de gênero. O problema não está nisso, mas no fato de que muitas dessas pessoas estão mentalmente localizadas no exterior, e não aqui, não com nosso povo, não com a Rússia",  afirmou o presidente. "Isto é o que eles pensam, que pertencem a uma casta superior, a uma raça superior."

Nesta quinta-feira, ao ser questionado sobre as declarações do presidente, o secretário de Imprensa do Kremlin, Dmitry Peskov, confirmou que essa é mesmo a linha atual do governo russo.

"Em momentos difíceis, muitas pessoas mostram suas verdadeiras cores. Muitas pessoas estão se revelando, como dizemos em russo, traidores", disse Peskov, em entrevista coletiva.

Ele também deu uma resposta dúbia ao ser perguntado sobre o que Putin quis dizer com a expressão "autopurificação".

"As pessoas desaparecem de nossas vidas por conta própria. Algumas pessoas estão deixando seus cargos, outras deixando suas vidas profissionais, algumas estão deixando o país e indo para outros lugares. É assim que essa limpeza está acontecendo."

Fonte: IG

Nenhum comentário