Aconteceu!

CHINA CONFINA SEIS MILHÕES DE PESSOAS APÓS NOVO RECORDE DE CASOS DE COVID-19

 

© REUTERS - TINGSHU WANG

As autoridades de Zhengzhou, que possui uma das maiores fábricas de IPhone do país, anunciaram o lockdown de quase metade da população nesta quinta-feira (24). Em todo o país, o número de casos diários de covid-19 na China atingiu um novo recorde desde o início da pandemia, com um total de 31.454 novas contaminações nesta quarta-feira, sendo 27.517 assintomáticos.

As autoridades sanitárias organizaram uma campanha de testes em vários distritos, onde as pessoas deverão ficar trancadas a partir desta sexta-feira (25), à meia-noite. Os moradores do centro da cidade não poderão mais deixar a área sem um teste PCR negativo e autorização. A autoridades os aconselharam a sair de casa apenas "em caso de necessidade." As medidas atingem vários bairros da cidade.

Os trabalhadores da fábrica já vinham sendo submetidos a várias restrições. Nesta quarta-feira, os operários se reuniram em frente à fábrica para protestar contra as medidas anticovid e a diminuição de um valor de um bônus prometido pela direção. Eles criticam as condições de trabalho "caóticas", geradas pelas restrições.

No mês passado, os trabalhadores, temendo o lockdown "repentino" da fábrica, fugiram a pé do local. A política adotada pela China contra a propagação do vírus, conhecida como "zero covid", leva o país a adotar medidas drásticas, como o lockdown de cidades inteiras e a imposição de quarentenas para casos positivos.

A estratégia, que continua sendo defendida pelo presidente Xi Jinping, vem gerando descontentamento de parte da população. O número de infecções vem batendo recordes no país.

O Ministério da Saúde anunciou, na quinta-feira, um novo recorde de casos em 24 horas, com mais de 31 mil casos, ultrapassando  o número de contaminações registrado em abril, quando ocorreu o lockdown de Xangai.

Esses dados, entretanto, parecem irrisórios levando em consideração o tamanho da população chinesa, de 1,4 bilhão de habitantes.


Restrições em outras cidades

A nova onda de contaminações levou o governo a impor restrições em outras grandes cidades: Pequim, Xangai e Chongqing. A capital agora exige um PCR negativo de menos de 48 horas para autorizar a entrada em locais públicos, como centros comerciais, hotéis e prédios da administração.

Pequim anunciou quase 1.500 novos casos nesta quarta-feira, a grande maioria assintomática, em uma população de 22 milhões. É o número mais alto da cidade, embora muito baixo em comparação com os padrões internacionais.

Várias escolas voltaram a adotar o ensino à distância e a maioria dos restaurantes, bares e estabelecimentos comerciais foram fechados. Em Cantão, no sul, onde está o epicentro da atual onda epidêmica, o governo construiu milhares de quartos temporários para receber os pacientes.

O governo anunciou em 11 de novembro o relaxamento de várias medidas, mas as novas altas de casos levaram à retomada das restrições. A China ainda não aprovou a utilização das vacinas à base de RNA mensageiro, mais eficazes, e apenas 85% das pessoas com mais de 60 anos receberam duas doses.


(Com informações da AFP)

Nenhum comentário