últimas

FORÇA-TAREFA DE COMBATE ÀS QUEIMADAS ATUARÁ DE FORMA SIMULTÂNEA EM MUNICÍPIOS DO SUL DO AMAZONAS


O Governo do Amazonas e o Exército Brasileiro iniciaram, nesta terça-feira (03/09), no 54º Batalhão de Infantaria de Selva, em Humaitá (a 691 km de Manaus), o ordenamento das ações de combate e fiscalização das operações Curuquetê e Verde Brasil, que contam com mais de 800 pessoas no combate às queimadas no Sul do Amazonas. A ação são realizadas em conjunto por órgãos dos governos estadual e federal, por meio da Garantia da Lei e da Ordem (GLO). O encontro definiu como as tropas dos órgãos ambientais e de comando e controle atuarão em campo de forma simultânea nas regiões prioritárias.

A ação é resultado do trabalho conjunto da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) com Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas (CBMAM), órgãos da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM) e Defesa Civil do Amazonas, com o apoio direto das ações da Polícia Federal e do Exército Brasileiro.

Segundo o chefe do Departamento de Gestão Ambiental e Territorial da Sema, Giuliano Piotto, a reunião realizada nesta terça-feira em Humaitá foi importante para delimitar as ações de todas as forças envolvidas no combate e fiscalização aos incêndios florestais. “Nos reunimos no 54º BIS em Humaitá para decidir a logística do deslocamento dos agentes ambientais, soldados das tropas do Exército, CBMAM, policiais militares e policiais civis. Este momento é de planejamento estratégico para o deslocamento do efetivo para os municípios que estão em situação crítica”, ressaltou.

Dentre os equipamentos utilizados pela equipe nas operações estão dois helicópteros do Exército, drones e viaturas próprias para combate a incêndios florestais, que auxiliarão nas ações em campo de maneira mais eficiente.



Além de Humaitá, escolhida como a cidade-base da operação, o município de Apuí também será ponto de apoio das ações em campo das tropas de combate às queimadas e desmatamento ilegais. Os Centros Multifuncionais da Sema e Ipaam em Apuí, Boca do Acre e Humaitá também servirão como núcleos para atender as demandas dos agentes envolvidos na operação.

Nesta terça (03/09), também foi realizada a formatura dos militares do Exército Brasileiro que foram capacitados pelo Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas para combate a incêndios.

Redução nos focos de calor – Com o fortalecimento das atividades de fiscalização e combate às queimadas, o Amazonas já apresenta redução dos focos de queimadas e do desmatamento. Nos primeiros dois dias de setembro, o estado reduziu em 24% o número de focos de calor, em relação ao registrado em igual período de 2018.

De 1º de janeiro a 31 de agosto de 2019, o Amazonas registrou 8.366 focos de calor. Levantamento feito pela Sema aponta ainda que, neste ano, 86% das queimadas se concentram na região sul do Estado. Sete dos 10 municípios que apresentam mais focos estão no sul do Estado: Apuí, Lábrea, Novo Aripuanã, Manicoré, Boca do Acre, Humaitá e Canutama. As áreas federais (Assentamentos, Unidades de Conservação federais e Terras Indígenas) concentram 44% do total dos focos. Apenas 1% atinge Unidades de Conservação Estaduais.

Garantia da Lei e da Ordem - Em reunião com governadores do Amazonas, Wilson Lima, do  Acre, Gladson Cameli, de Roraima, Antonio Denarium, e de Rondônia, Marcos Rocha, nesta terça-feira (03/09), o ministro da Casa Civil da Presidência, Onyx Lorenzoni, adiantou que os trabalhos da GLO no Amazonas, previsto para 24 de setembro, serão mantidos por mais tempo.

Onyx destacou que é preciso preservar o patrimônio ambiental do Brasil fazendo, ao mesmo tempo, com que os 23 milhões de habitantes da Amazônia tenham boas condições de vida e capacidade de se desenvolver produtivamente. Também participaram da reunião os ministros  do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e da Defesa, general do Exército, Fernando Azevedo e Silva, e o secretário geral da Presidência, Jorge Antônio de Oliveira, além de secretários de Estado, deputados estaduais e federais e representantes das forças armadas e do judiciário.

Nenhum comentário