últimas

FILHO DO GOLEIRO BRUNO QUER MUDAR DE NOME E TEM MEDO DO PAI

Arquivo iG

"Que merda!", gritou Bruninho enquanto envolvia a cabeça com as mãos e esfregava os olhos com força. "Que foi, meu filho, que foi?", correu a avó, Sônia, da cozinha, onde preparava a marmita do filho que, logo, sairia para trabalhar. "Eu tô com medo", foi a resposta do menino de nove anos. O diálogo aconteceu no último mês de julho, quando o goleiro Bruno Fernandes deixou a prisão para cumprir pena em casa.

Bruninho soube da notícia sem querer, enquanto assistia à televisão na hora do almoço. Ele é filho de Eliza Samudio e do goleiro Bruno. Para o menino, no entanto, o pai só é pai na genética. "Ele é só meu genitor", diz a criança a todo mundo que pergunta. Não há raiva, nem rancor. Apenas medo. "Como vou ter ódio de alguém que não conheço?", argumenta. E conclui, para encerrar o papo e eliminar qualquer dúvida: "Minha mãe é a Eliza".

A mãe de Eliza Samudio, Sônia Samudio, reveleu em em entrevista, publicada pelo Uol neste sábado (12), que o neto não quer ter mais o mesmo nome do pai, o goleiro Bruno Fernandes, condenado pela morte da ex-modelo.

A mulher contou que a “Bruninho”, como é chamado pela família, quer se chamar Gabriel. a avó afirma que o neto tem medo do pai e diz para os amigos que ele é apenas o “genitor”. Bruninho está com nove anos e, de acordo com Eliza Samudio, também não assina o sobrenome “Souza”, da família do pai.

“Levei meu neto para tirar o RG há alguns meses e ele teve de assinar o nome completo naquela partezinha ali embaixo. Escreveu só ‘Bruno Samudio’ bem grande para que não coubesse mais nada. Não adiantou: o atendente disse que precisaria colocar o “Souza” também e ele fez um escândalo”, contou ao Uol.

Para justificar a escolha de seu nome igual ao do pai, a avó diz que foi um desejo de Eliza, antes de morrer e por isso ela não pode interferir. Mas, ela diz que e mesmo poderá providenciar a mudança quando for adulto, se estiver certo de que é isso que quer.

A criança não quer contato com o pai e detesta ser reconhecido como filho do goleiro Bruno. Ele evita sair com a avó para locais públicos, justamente por receio das pessoas os reconhecerem. Sônia Samudio destaca também que não influenciou a criança a rejeitar o goleiro Bruno, mas garante que não autoriza nenhuma aproximação entre os dois.

Em determinado momento da entrevista, a criança diz: “mãe Soninha, como vou confiar num cara que tentou me matar? Nem se ele me oferecer um refrigerante fechado vou aceitar”.

Relembre o caso

Eliza Samudio, modelo e mãe do filho do goleiro Bruno, foi morta por asfixia e esganadura em 10 de junho de 2010. A modelo teve o corpo, até hoje não encontrado, esquartejado pelos assassinos.

O ex-goleiro do Flamengo foi condenado a 22 anos e três meses de prisão por homicídio triplamente qualificado, sequestro e ocultação do cadáver.

Em julho deste ano, conseguiu sair da cadeia e agora tenta retornar ao futebol profissional em Minas Gerais.



*UOL


Nenhum comentário