últimas

LINHA DE TRANSMISSÃO QUE LEVARÁ ENERGIA PARA IRANDUBA E MANACAPURU É INAUGURADA

Governador Wilson Lima e diretor-presidente da Amazonas Energia, Tarcísio Rosa, participaram ontem da inauguração. Foto: Divulgação
Levar mais segurança energética aos municípios de Iranduba e Manacapuru. Esse é o objetivo dos cabos aéreos trifásicos da nova linha de transmissão que ficará sob a ponte Jornalista Phelippe Daou (Ponte Rio Negro), inaugurada na tarde de ontem pela Amazonas Energia. O governo estadual pretende iniciar um estudo técnico para a construção de uma nova linha, do outro lado da ponte, para dar ainda mais segurança energética aos dois municípios da Região Metropolitana de Manaus.


As obras de instalação do circuito de cabos aéreos de 69 quilowatts começaram no dia 8 de agosto e levaram mais de dois meses para serem concluídas. Ao todo, o investimento da Amazonas Energia na obra foi de R$ 9 milhões para implementar uma extensão de 15 quilômetros de cabeamento para, assim, substituir o antigo sistema de cabos subaquáticos que foram danificados em julho desse ano. Cerca de 100 trabalhadores atuaram na obra.
No fim de julho, para atender emergencialmente os municípios de Iranduba e Manacapuru a concessionária instalou 80 grupos geradores (51 unidades na Usina Termelétrica de Iranduba e 25 na de Manacapuru). A concessionária, inclusive, estuda a possibilidade de manter esses geradores a fim de ter mais uma opção de reserva de energia elétrica. Juntos, os sistemas elétricos dos dois municípios demandam uma potência de  aproximadamente 45 megawatts, sendo que a capacidade de geração instalada oferece uma reserva técnica de 20 megawatts.
Para o diretor-presidente da Amazonas Energia, Tarcísio Rosa, o principal objetivo da nova linha de transmissão é assegurar maior confiabilidade no atendimento às duas cidades, pois ela possibilitará uma economia importante no consumo de combustível para o atendimento das cidades.  “Os cabos aéreos, passando por um lado da ponte, é uma solução muito mais segura aos dois municípios. A gente trabalha para que não haja mais apagões, mas essas cidades ainda têm usinas a diesel e falhas podem acontecer”, disse Tarcísio Rosa.
“Nós vamos sugerir ao governo estadual para começar um estudo técnico para ver a viabilidade de construirmos uma terceira linha do outro lado da ponte, assim teríamos uma reserva energética para sanar possíveis eventualidades”, acrescentou.
Investimento: R$ 9 milhões
As obras para a construção da linha de transmissão, que tiveram investimento de R$ 9 milhões, duraram cerca de 65 dias e foram executadas com apoio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Manaus (SRMM).

Nenhum comentário