Aconteceu!

PRÉDIO DE TRÊS ANDARES COM RISCO DE DESABAR É INTERDITADO EM MANAUS

 

Vazamento de água comprometeu estrutura de imóvel, no Educandos. — Foto: Rebeca Beatriz/G1 AM

Um prédio de três andares com risco de desabar foi interditado pela Defesa Civil, na Zona Sul de Manaus, na manhã deste sábado (28). No local, moravam, há pelo menos sete anos, a feirante Cintia Simone, de 49 anos, e o esposo dela.

A interdição aconteceu após a moradora perceber um vazamento de água, que comprometeu toda a estrutura da casa. O imóvel está localizado na Rua Inocêncio de Araújo, no bairro Educandos,

Equipes da Defesa Civil, da Secretaria Municipal de Infraestrutura e da empresa Águas de Manaus realizaram uma vistoria e constataram que o vazamento vinha de uma tubulação subterrânea. A área foi isolada e a casa deve ser demolida.

Segundo a feirante Cíntia Simone, a situação já vem acontecendo há pelo menos quatro meses. Ela denunciou que percebeu um vazamento nas paredes da casa, além de um aumento na conta de água, que foi de R$ 70 para R$ 500.

Feirante Cíntia Simone teve aumento na conta de água de R$ 70 para R$ 500. — Foto: Rebeca Beatriz/G1 AM


Agora, por conta desse vazamento, Simone não tem onde morar. “Faz quatro meses que que a minha conta de água subiu absurdamente. A Água de Manaus veio, fez uma vistoria rápida, mas nada resolveu. E agora perdi minha casinha, construída com tanto esforço, por conta disso. Foram anos de trabalho. Ver uma situação dessas, é difícil, muito difícil seguir em frente. Não foi culpa minha”, comentou.

Com ajuda de vizinhos, a feirante conseguiu retirar todos os móveis da residência, neste sábado, e levou para a casa do cunhado, onde deve morar temporariamente

Prédio foi interditado por risco de desabar em Manaus. — Foto: Rebeca Beatriz/G1 AM


O Secretário Executivo de Proteção e Defesa Civil de Manaus, Cláudio Belém, informou que continua avaliando a situação do local.

“Foi um vazamento que comprometeu toda a estrutura da casa, e nós vamos precisar demolir. Já pedimos para que os moradores se retirassem do local, e agora analisamos se mais casas poderão ser afetadas, ainda estamos fazendo os trabalhos aqui”, explicou.

Os moradores devem, segundo ele, fazer um cadastro socioeconômico junto à prefeitura, para conseguirem auxílio-moradia.


G1*

Nenhum comentário