Aconteceu!

COVID-19: DECRETO É PRORROGADO E FERIADO DO CARNAVAL É SUSPENSO NO AM

 


Foi prorrogado o decreto que restringe a circulação de pessoas por 24h, com alterações. A partir de segunda-feira (1º), feiras estão autorizadas a funcionar de 04h às 15h, e serviços de delivery para materiais elétricos e mecânicos estão liberados. O novo decreto também suspende o ponto facultativo do Carnaval e autoriza o retorno das aulas da rede estadual, de forma online.

As mudanças foram anunciadas pelo governador do Amazonas, Wilson Lima, na tarde desta sexta-feira(29), durante live nas redes sociais. Após pressão da categoria, o chefe do executivo estadual modificou o horário de funcionamento de feiras, que antes era de 04h às 10h.

O decreto em vigor sobre o Toque de Recolher será estendido até o dia 7 de fevereiro.

A circulação de pessoas continua restrita pelo horário de 24 horas e as medidas continuam as mesma, exceto para o funcionamento das feiras que será ampliado e alguns serviços de delivery que passam a ser liberados.

Confira o que passa a ser liberado com novo decreto:

Funcionamento de feiras das 4h às 15h para evitar aglomerações;

Funcionamento de fábricas de itens de embalagens de alimento, bebidas, limpeza, higiene pessoal, remédios e sacolas para supermercados;

Delivery para materiais elétricos, hidráulicos e pneumáticos das 8h às 17h;

Delivery para peças de veículos pesados das 8h as 17h.

Durante o toque de recolher as pessoas poderão sair para ir aos supermercados, farmácias e trabalhar nos serviços essenciais. 

Veja os serviços liberados que não terão mudanças com o novo decreto:

Os supermercados continuam funcionando de 6h às 19h limitado a produtos de alimentação, bebida, limpeza e higiene pessoal.

As farmácias e clínicas de urgência e emergência funcionarão 24h.

Restaurantes, padarias e bares que funcionam como restaurante apenas no sistema de delivery 6h às 22h.

Obras e serviços de engenharia estão liberados apenas para a área de saúde.

Produção e transporte de alimentos, medicamentos e transporte de trabalhadores.

Nenhum comentário