Aconteceu!

PSOL NÃO LANÇA CANDIDATO E SINALIZA APOIO A LULA

 



Numa sinalização de apoio ao PT em 2022, o PSOL decidiu reeleger Juliano Medeiros à presidência do partido e não apresentar pré-candidatura à Presidência da República no próximo ano. Com isso, a legenda ruma para se unir ao ex-presidente Lula (PT), que vem registrando a liderança nas intenções de voto nas últimas pesquisas .

A decisão foi tomada no Congresso Nacional do PSOL, realizado neste fim de semana. A pauta prioritária votada pela maioria dos 402 delegados da conferência foi a luta pelo impeachment do presidente Jair Bolsonaro.

"A prioridade, em nível nacional, deve ser a construção da unidade entre os setores populares para assegurar a derrota da extrema-direita. Esse processo de diálogo deve envolver elementos programáticos, arco de alianças e não pode ser uma via de mão única", diz a resolução aprovada.

Fundado em 2004, será a primeira vez que o PSOL não disputará o Palácio do Planalto. Em 2006, o partido concorreu com Heloísa Helena, em 2010 com Plínio de Arruda Sampaio, em 2014 com Luciana Genro, e em 2018 com Guilherme Boulos, que deve se candidatar a governador de São Paulo no ano que vem.

O PSOL, que nasceu de um racha no PT em 2003, quando o governo Lula propôs sua reforma da Previdência, foi oposição às gestões petistas, mas se aproximou dos então rivais a partir do impeachment de Dilma Rousseff.

Juntos na oposição aos governos de Michel Temer e Bolsonaro, os partidos têm se mantido alinhados, e os ataques cessaram. Se em 2014 a presidenciável psolista chamava PT e PSDB de "irmãos siameses", na eleição seguinte Boulos foi crítico da prisão de Lula e subiu no palanque de Fernando Haddad durante a campanha. A amistosidade se refletiu também nas eleições municipais de 2020.

Apesar da defesa pela união das esquerdas em 2022, num cenário que se encaminha para ter Lula e Bolsonaro no segundo turno, o PSOL programou para o próximo ano uma brecha onde possa encaixar um eventual recuo na decisão de não lançar candidato.


O martelo vai ser batido de fato na Conferência Eleitoral Extraordinária, quando a legenda deve "tomar as decisões finais sobre a tática eleitoral do partido, políticas de alianças, distribuição de fundo partidário, regulamentação de candidaturas coletivas e outros temas que sejam pertinentes".

Essa opção pode ser usada caso o PT atropele temas caros ao PSOL, como o teto de gastos e a reforma trabalhista, aos quais a sigla é contrária. Um possível vice de Lula vindo do mercado, por outro lado, não deve balançar a aliança, pois já é esperado, assim como foi José Alecar em 2002.

 

Ainda que caminhem juntos na eleição presidencial, PSOL e PT devem ter, ao menos, disputas "amigáveis" em outros pleitos. Em São Paulo, por exemplo, Boulos e Haddad devem se lançar candidatos ao Palácio dos Bandeirantes.

Eles são considerados dois dos nomes mais fortes na esquerda. Haddad conseguiu 47 milhões de voto a presidente em 2018 no auge do antipetismo, e Boulos, o feito histórico de levar o PSOL ao segundo turno da eleição na capital paulista, da qual o então prefeito Bruno Covas (PSDB) saiu vencedor.

IG 

 

Nenhum comentário