Aconteceu!

CIENTISTAS DESVENDAM MISTÉRIO DE DOENÇA ATRIBUÍDA A SPRAY DE AROMATERAPIA NOS EUA

 

Comissão de Segurança de Produtos de Consumo/EUA

Era um mistério, por qualquer definição da palavra – uma rara infecção tropical que adoeceu pessoas nos estados definitivamente não tropicais de Minnesota e Kansas, bem como no Texas, nos Estados Unidos. O primeiro paciente a adoecer morreu em março, no Kansas.

Todos foram infectados por uma bactéria conhecida como Burkholderia pseudomallei. A doença que ela causa é chamada de melioidose, caracterizada por sintomas inespecíficos como tosse e falta de ar, fraqueza, fadiga e náuseas. O microrganismo é mais comumente visto na Tailândia, Malásia, Singapura e norte da Austrália, e é encontrado no solo e em água contaminada.

Não é esperado encontrar a bactéria no centro dos Estados Unidos, e certamente não em um spray de aromaterapia com essência de lavanda com pedras preciosas.

Normalmente, quando os norte-americanos são diagnosticados com melioidose, ela está associada a viagens. Mas esses casos surgiram no meio de uma pandemia, quando as viagens internacionais eram praticamente inexistentes. E nenhuma das famílias afetadas havia viajado.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, emitiram um alerta de saúde em junho, quando os três casos em Kansas, Minnesota e Texas foram relacionados. Quando encontraram a fonte neste mês, quatro pessoas adoeceram e duas delas morreram.

Pistas frias e expedições de pesca

As pistas esfriaram no Kansas, disse a epidemiologista do CDC, Jennifer McQuiston, que ajudou a conduzir a investigação. O CDC trabalhou com os departamentos de saúde estaduais para tentar descobrir como as pessoas foram infectadas com um patógeno tão incomum.

“Foi realmente uma expedição de pesca porque não tínhamos nenhuma pista para nos guiar em qualquer direção”, disse McQuiston à CNN internacional.

“As equipes realmente analisaram os produtos de cuidados pessoais, loções, sabonetes, itens alimentares, vitaminas – coisas a que eles podem ter sido expostos”, disse McQuiston.

“Produtos de limpeza – todos esses tipos de coisas. O problema com a Burkholderia pseudomallei é que ela realmente precisa de um ambiente úmido para sobreviver. Ela pode prevalecer em alguns tipos de umidade em que você normalmente não pensaria em uma bactéria sobrevivendo, até mesmo desinfetantes para as mãos”.

Em julho, um paciente morreu de melioidose na Geórgia. Os testes genéticos associaram a evidência aos outros três casos.

As equipes do CDC redobraram suas pesquisas, examinando todos os produtos que puderam encontrar e que poderiam ser a fonte da bactéria. Mesmo assim, não havia nenhum dado evidente.

“Eles testaram várias centenas de espécimes e parecia que estavam chegando a um beco sem saída”, disse McQuiston.

Em um último esforço, eles voltaram para a casa do último paciente para uma nova olhada no início deste mês.

“Nessa segunda pesquisa específica, eles coletaram uma amostra de uma garrafa de purificador de ar que não havia sido coletada da primeira vez, e nesta semana obtivemos resultados de PCR positivos daquela garrafa de purificador de ar para Burkholderia pseudomallei“, disse McQuiston.

PCR – reação em cadeia da polimerase – é o mesmo tipo de teste de laboratório usado para amplificar material genético para testes de Covid-19. Desta vez, o exame revelou material genético do suspeito do crime bacteriano.

Lá, eles encontraram: “Better Homes & Gardens Lavender & Chamomile Essential Oil Infused Aromatherapy Room Spray with Gemstones”. O produto foi fabricado na Índia e vendido no Walmart, que fez um recall na sexta-feira (22).

“Ficamos todos muito aliviados por ter algo que apontava para uma fonte de infecção porque nossa maior preocupação era que o que quer que tenha causado a infecção nos quatro casos anteriores ainda pudesse estar lá fora, representando um risco para a saúde das pessoas”, disse McQuiston.

“Isso nos mostrou que isso era verdade – nossos instintos estavam certos porque há famílias na América que têm este frasco de fragrância de ar em suas casas, potencialmente em uso”, acrescentou ela.

“É por isso que pensamos que era tão importante divulgar rapidamente essas informações, embora ainda estejamos aguardando os resultados de confirmação do sequenciamento, mostrando que o que saiu do frasco correspondia ao paciente da Geórgia. Os resultados do PCR nos levaram a prosseguir com este alerta”.

O CDC conseguiu associar a cepa da bactéria aos pacientes no Texas, Kansas e Minnesota. “Portanto, temos A conectado a B, B conectado a C e os resultados da sequência nos ajudarão a conectar A a C”, disse McQuiston.

Pedras preciosas “curativas”?

Não está claro qual ingrediente do spray pode ser o contaminante. No entanto, podem ser as “pedras preciosas”.

“As rochas são coletadas do ambiente e há bactérias no ambiente, então se as rochas não foram esterilizadas antes de serem colocadas, é uma possibilidade”, disse McQuiston. “Outra coisa é a possibilidade de outro componente ter se contaminado e as rochas formarem um pequeno microambiente naquele frasco para a bactéria crescer”, acrescentou.

“Então, o significado das rochas ainda não sabemos, mas ter pedras em um frasco de fragrância é definitivamente incomum. Acho que é algo que estamos interessados ​​em observar”.

O mesmo fabricante fez outros perfumes usando “pedras preciosas” que o CDC examinará, disse McQuiston.

Também não está claro como as pessoas podem ser infectadas por um spray. Não parece que as vítimas necessariamente o inspiraram.

“Muitas pessoas disseram que borrifavam isso em seus travesseiros à noite, antes de irem dormir, para dar a eles uma fragrância agradável – então você pode imaginar que existem usos para isso, além de apenas borrifar em um quarto, onde pode colocar alguém em contato muito próximo com a bactéria”, disse McQuiston.

Agora, os pesquisadores vão retornar para ver se o paciente no Texas pode ter comprado a mesma marca de spray.

“Não houve uma menção a este produto ou marca específica nas perguntas da entrevista inicial, acho que os estados se comprometeram com essas famílias”, disse McQuiston. “Acredito que tenha havido uma menção de um possível spray de fragrância em um membro da família do paciente do Texas. Então, acho que vamos tentar voltar e aprofundar um pouco mais cuidadosamente”.

Essa é a parte difícil. “Podemos ou não fazer essa conexão, visto que se passaram vários meses. A garrafa pode não estar mais em casa, mas acho que vai haver uma tentativa”.

Provavelmente não será possível para o paciente de Kansas, que morreu em março, ou para o paciente de Minnesota, disse ela.

“Mas devo dizer que ouvimos que esses dois indivíduos tinham um histórico de uso de produtos perfumados ou de óleos essenciais, então acho que você pode imaginar a possibilidade de que haja essa ligação”.

Os epidemiologistas do CDC são frequentemente chamados de detetives de doenças, e este é um exemplo do motivo.

“Você pesa a emoção de ser capaz de juntar as peças desse quebra-cabeça com, na verdade, o conhecimento terrível de que duas pessoas morreram e quatro famílias foram dramaticamente impactadas por isso”, disse McQuiston. “E eu realmente acho que o conhecimento de como isso era sério foi o que levou nossos cientistas a trabalhar tão arduamente para tentar resolver esse mistério”.





Fonte: CNN Brasil

Nenhum comentário