últimas

JORNALISTA FÁBIO PANNUNZIO FAZ CRÍTICAS AO GOVERNO BOLSONARO ANTES DE DEMISSÃO

FÁBIO PANNUNZIO DEIXA A BAND APÓS 20 ANOS

Fábio Pannunzio anunciou ontem que está deixando a TV Bandeirantes após 20 anos. Segundo ele, a saída se dá por motivos de saúde, mas especulações nas redes sociais logo sugeriram que haveria motivos políticos envolvidos, até porque, dias antes de anunciar sua saída, Pannunzio havia brigado no Twitter com Fábio Wajngarten, chefe da Secom (Secretária de Comunicação Social) da Presidência da República.


Na ocasião, Pannunzio chamou Wajngarten de "dedo-duro intrigante" que pedia a cabeça de jornalistas. Wajngarten respondeu que ele poderia perder o emprego. Apesar disso, o jornalista rebateu hoje especulações de que sua saída pudesse ter a ver com o chefe da Secom.


"Gente, sinto muito decepcioná-los, mas a minha demissão da Band estava definida há cerca de um mês. Esse Fábio Wajngarten jamais teria força para provocar minha demissão. Ao contrário. Os tuítes que ele enviava para os meus chefes eram motivo de chacota na redação", escreveu ele em seu Twitter.









Pannunzio tem uma carreira extensa no jornalismo. Entrou na Globo como repórter em 1984 e lá ficou 15 anos, realizando coberturas importantes. Na Band, conquistou dois prêmios Esso, um dos mais importantes do jornalismo, e se destacou como apresentador.

Com a saída de Boris Casoy da emissora em 2016, ele foi escolhido para ancorar o Jornal da Noite. Neste ano, foi ele quem substituiu Ricardo Boechat na bancada do Jornal da Band após o jornalista morrer em um acidente de helicóptero.

Ganhando mais destaque na Band, Pannunzio também ficou mais exposto a polêmicas e se tornou alvo de críticas nas redes sociais por conta de suas opiniões.

Crítico ferrenho do governo de Jair Bolsonaro (PSL), Pannunzio fez comentários na TV questionando decisões do governo.

Em julho, ele perguntou se valeria a pena a indicação de Eduardo Bolsonaro (PSL) para o cargo de embaixador do Brasil nos Estados Unidos. Em março, após o presidente tuitar um vídeo com conteúdo pornográfico para falar do Carnaval --a polêmica "golden shower"--, Pannunzio disse que Bolsonaro precisava "parar de tuitar e começar a governar".

Nas redes, o jornalista também foi para o confronto. Ele chegou a ser referir a um dos filhos de Bolsonaro, Carlos Bolsonaro (PSL), como "Carluxo", e afirmou que ele era "o rei das fakenews".



"O general da milícia digital. O coroinha do Olavo de Carvalho. O cara que está tocando fogo no governo do próprio pai. Que começou na política ferrando a própria mãe. Você é o melhor exemplo do que não deve fazer o cidadão civilizado", disparou ele.









Pannunzio também saiu em defesa de colegas jornalistas que, na sua avaliação, estavam sendo perseguidos graças àquilo que definiu como "macartismo bolsonarista".

Em mensagem publicada em seu perfil no Twitter, Pannunzio citou o afastamento de Paulo Henrique Amorim do comando do "Domingo Espetacular", da Record, a ameaça sofrida por Rachel Sheherazade (Luciano Hang, dono das lojas Havan, patrocinadora de programas do SBT, pediu para que Silvio Santos a demitisse), além da saída de Marco Antonio Villa da rádio Jovem Pan.

Em 2017, ele fez uma entrevista, nas palavras dele, "tumultuada", com o vereador Fernando Holliday (DEM), na qual os dois discutiram de maneira efusiva. Em seu blog, Pannunzio descreveu Holliday como "o velho travestido de novo".

Mas não foi só na esfera política que Pannunzio provocou polêmica. O âncora fez um comentário colocando em dúvida depoimentos de mulheres que acusaram o médium João de Deus de assédio sexual.

"Olha, eu não tenho dúvida nenhuma de que, entre esses relatos, tem muito trigo e tem também algum joio. Você acha crível mesmo que esse homem molestou 500 mulheres? Aos 76 anos de idade? É preciso mais que hormônios para se crer numa história dessas", disse o jornalista.

A fala provocou forte reação e Pannunzio foi criticado até por colegas de profissão, como a jornalista da GloboNews Leilane Neubarth. "É difícil até dizer o que eu sinto quando ouço um comentário como este... Não sei se fico enojada, revoltada ou com pena pela total falta de informação dele."

No Twitter, Fábio Pannunzio rebateu: "Minha cara Leilane, eu sou daqueles que ainda acham que antes de publicar, é melhor se informar sobre o que você está falando. Lembre-se do Art. 14 do nosso Código de Ética. Se tivesse ligado para mim, como manda a boa norma, teria poupado seu público de tantas asneiras."

Agora, Pannunzio deixa a emissora, mas afirma que não ficará completamente afastado do jornalismo.

"Saio, mas não saio de tudo. O [Fernando] Mitre [diretor de jornalismo da Band] já me avisou que vai precisar de mim na produção de séries especiais de reportagem, e é claro que eu as farei. Especialmente quando o tema for respeito humano, meio ambiente, combate ao autoritarismo, homofobia, racismo e coisas afins."


Nenhum comentário