últimas

EM MEIO À PANDEMIA DE CORONAVÍRUS, PRODUTORA PORNÔ BRASILEIRA TEM ALTA NO NÚMERO DE ASSINANTES

"Brasileirinhas" tem alta no número de assinaturas. Foto: Camilla Maia
Tão logo as determinações de quarentena por causa do coronavírus ganharam fôlego no Brasil, muita gente correu para as redes sociais para se perguntar sobre como lidar com, digamos, os prazeres da carne. Entre memes e piadas, o fato é que houve quem se desse bem com a situação: a produtora de vídeos pornô Brasileirinhas já registrou a segunda alta consecutiva no número de novas assinaturas.
- O boom foi na terça-feira, quando a alta foi de 70% em relação à semana passada - conta o ceo da empresa, Clayton Nunes. - Normalmente, a gente recebe cerca de 300 novas assinaturas por dia. Na terça, foram mais de 600 e, na quarta, cerca de 500.
O curioso, segundo ele, é que isso ainda não reverberou na audiência. Por ora, parece que as pessoas estão mais interessadas em garantir o acesso ao conteúdo, já que o site não oferece nada gratuitamente, além de trailers.
Produtoras de filmes adultos do mundo inteiro têm ganhado notoriedade durante a pandemia de coronavírus. Isso acontece tanto pela alta nos números de acesso, quando pelas decisões adotadas por algumas empresas. O Pornhub anunciou, na última quinta-feira, a liberação de assinaturas premium para as pessoas que vivem na Itália.
Na produtora de Clayton, a equipe de 20 pessoas que atua no escritório já está trabalhando remotamente, em função das recomendações de quarentena. As gravações de novos vídeos, porém, ainda estão sendo feitas na casa ocupada pela Brasileirinhas, na região nobre de Granja Viana, em São Paulo.
- Os atores que apresentam qualquer sinal de gripe são dispensados, como já fizemos com dois deles. No estúdio, trabalham dois cinegrafistas, dois editores, um diretor e os atores - descreve. - Também estamos tomando cuidados, como o uso de álcool gel.
Perguntando se a empresa vai adotar alguma estratégia de marketing diante da alta procura, Clayton disse que, por ora, não há nada previsto.
- Até pensei em soltar umas brincadeiras, mas entendemos que não é hora disso, diante das mortes confirmadas.

Nenhum comentário