TCE

TCE

Aconteceu!

ADVOGADO DE PARAQUEDISTA QUESTIONA AUTORIZAÇÃO DE SALTO NO DIA DO ACIDENTE EM MANAUS

Atos Cardoso, advogado da família - Foto: Divulgação

Durante coletiva concedida nessa quarta-feira (20), Atos Cardoso, advogado da família do paraquedista desaparecido Luiz Henrique Cardelli, questionou a autorização de voo concedida pelo Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta) no dia do acidente.

Atos disse que confia nas autoridades para apurar a responsabilidade do ocorrido, mas fez questão de ressaltar que as condições climáticas do dia já apontavam para o risco iminente tanto do voo quanto do salto dos atletas.

“Confiaremos nas autoridades para apurar as responsabilidades. Mas, o que a gente pode falar e falo aqui não só como amigo, mas também como amazonense, manauara, é que a gente sabe, sente cheiro de chuva, manda tirar a roupa do varal e fechar a janela. A gente sabe que 14h30, 14h40 o tempo já estava estranho, mas certamente as autoridades darão a resposta”, declarou o advogado.

Na última terça-feira (19), a Polícia Civil anunciou que abriu um inquérito para apurar as responsabilidades e circunstâncias do ocorrido. Até então, o aeroclube havia afirmado que o avião que levava os paraquedistas decolou com a autorização do Cindacta e que cabe as escolas de paraquedismo decidiu sobre as condições de salto de seus alunos.

Em entrevista recente, o engenheiro Alank Batista Batista Viana, um dos paraquedistas que saltou com Luiz, disse que eles não tinham acesso a detalhes da operação e por isso, não tinha conhecimento de nenhum tipo de alerta possíveis tempestades.

Ele também afirmou que o salto foi considerado “propício pelos instrutores”, mesmo com a oscilação do tempo e que ninguém percebeu a mudança repentina:

"O tempo estava oscilando muito, mas para todos tinha condições de se fazer um salto seguro. Como foi uma mudança muito rápida, o pessoal de solo talvez não tenha percebido isso e nem a gente em cima também percebeu. Como eu não participo da operação se chegou um alerta, não chega pra gente”, relembra.



*PORTAL DO HOLANDA

Nenhum comentário