TCE

TCE

Aconteceu!

COVID-19: CORONAVAC PODE DEIXAR DE SER USADA NO BRASIL COM FIM DE EMERGÊNCIA SANITÁRIA

 

Mateus Bruxel / Agencia RBS

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou nesta semana que está revisando as normativas sanitárias, após o Ministério da Saúde decretar fim da emergencia sanitária em relação a covid-19. 

Entre as resoluções, está o uso emergencial de vacinas e medicamentos para a doença. Com essa informação o uso da Coronavac no Brasil fica incerto, pois o imunizante não possui aprovação definitiva da Anvisa, e de acordo com resolução publicada em dezembro de 2020, autorização é de uso temporário válida até o fim da situação de emergência em saúde pública pelo Ministério da Saúde.

Nesta terça-feira (19), o Instituto Butantan informou que não recebeu notificação sobre alteração de permanência do uso emergencial da vacina CoronaVac, e que segue em tratativa com a Agência. “O Butantan, firmando seu compromisso com a saúde pública do povo brasileiro, segue em tratativas e em constantes trocas com a equipe técnica da Anvisa para que o uso da CoronaVac seja estendido a todos os públicos, incluindo crianças de três a cinco anos”, informou nota enviada pelo Butantan.

O Instituto ainda ressaltou que os estudos comprovam eficácia e segurança do imunizante e continuam. “A CoronaVac, vacina que teve sua segurança, eficácia e efetividade comprovadas em ensaios clínicos ao redor do mundo, teve um estudo de fase 3 realizado no Brasil com o objetivo de dar subsídios para o registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e outras autoridades regulatórias. As amostras finais do estudo passaram por um longo trâmite de exportação para a China, onde estão sendo analisadas em um trabalho em parceria com a biofarmacêutica Sinovac.“

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, informou que o governo federal deve continuar utilizando o imunizante apenas no público de 5 a 18 anos. “Em adultos, esse imunizante, eu penso que é um consenso nos países que têm agencias regulatórias do porte da Anvisa, que ele não é utilizado para o esquema vacinal primário. Ele pode ser usado para o esquema vacinal primário aqui no Brasil para a faixa etária compreendida entre 5 e 18 anos", afirma Queiroga.


Fonte: Rede TV

Nenhum comentário